domingo, 11 de dezembro de 2011

Greenpeace classifica resultado da COP-17 como fracasso




A ONG internacional Greenpeace criticou duramente a Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas (COP-17) - realizada nas últimas duas semanas em Durban -, descreveu-a como uma "fracasso" e afirmou que os governos participantes "deveriam se sentir envergonhados". "As negociações de Durban acabaram da mesma forma como começaram: em fracasso", diz um comunicado divulgado no site da entidade. "Os governos preferiram ouvir os poluidores ao povo".

O Greenpeace acusa os líderes que participaram da Conferência de terem fracassado no reforço de medidas anteriores de proteção do clima e se manterem "à margem de novas normas globais para lutar contra a mudança climática". "Nos perguntamos como (os líderes) poderão continuar olhando nos olhos de seus filhos e netos quando voltarem para casa", ressalta a organização.

O Greenpeace lembra ainda que, na conferência de dois anos atrás, realizada em Copenhague, os políticos prometeram um fundo de US$ 100 bilhões para ajudar os países mais pobres a enfrentar a mudança climática, mas critica a falta de ação sobre a proposta. "Vieram a Durban dois anos depois apenas planejando desenhar uma maneira para recolher e distribuir o dinheiro. E acaba que nem sequer conseguiram fazer isso", acrescenta a nota.

Apesar do pacto obtido na COP-17 para prorrogar o Protocolo de Kyoto - único acordo de caráter legalmente vinculante contra a mudança climática -, o Greenpeace alega que houve poucos avanços na cúpula. A organização menciona Estados Unidos, União Europeia, China e Índia como obstáculos para um acordo com nações menos desenvolvidas.

"Nos decepcionaram e seu fracasso será medido com a vida dos pobres, os mais vulneráveis e menos responsáveis pela crise da mudança climática".


Fonte:
http://noticias.terra.com.br/ciencia/noticias/0,,OI5513481-EI19408,00-Greenpeace+classifica+resultado+da+COP+como+fracasso.html

Nenhum comentário:

Veja Também:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Edna MarS"